coracaodarkroom:

Infiltração

Você
Feito balde
Recebia
Todo amor
Que pingava
Fora
De mim.

(Marcelo Oriani)

Olha, se eu pudesse eu caminhava para sempre. Caminhar, sabe? Caminhar mesmo, para além das figuras de linguagem. Caminhar de fato. Andar, um pé depois do outro, num chão de pedra sob o sol, sob a lua, na chuva, no vento, até o fim do mundo. Até não haver mais tempo, mais fôlego. Até não haver mais para onde ir.

Andar em frente, sempre, olhar adiante e para o alto mas mirar também, aqui e ali, um lado e outro do caminho, buscando boas lembranças à espera de quem as colha com os olhos e as acolha nos bolsos, como frutas maduras para descascar depois.

É por isso que, a você e a mim, um longo e proveitoso seguir em frente há de ser sempre o melhor estado. Que você e eu caminhemos até o tempo e o espaço de não mais existir. Que sejamos tocados pela graça do movimento e o desejo inadiável de tocar os pés no solo e seguir.

Pisar a grama fria das manhãs mais claras, guardar paisagens mornas, alaranjadas, de tardinhas luminosas, desviando de um buraco aqui e ali, respirando fundo. Que além das substâncias químicas liberadas no organismo de quem se exercita e se movimenta, o andar em frente nos libere o olhar. E que o olhar nos leve voando para bem mais longe, para além dos cantos aonde chegam os pés.

Assim, batendo pernas pelo mundo, resgataremos esquinas perdidas no aqui dentro. Aquele relâmpago lá longe, um cheiro de chuva distante, um vento de boa aventurança. Vento de festa. Brisa de alegria. Vozes e risos de tardes idas. Andar nos manterá de pés firmes sobre a vida, juntos, celebrando nosso estar aqui.

Enquanto andamos, o sol nos queima, a brisa nos sopra, a lua acende sobre nós a noite em sua alegria de lâmpada nova, supernova. Caminhando, suamos nossos venenos, purgamos nossas dores, amansamos nossas distâncias, perdemos velhos medos no caminho. Andando, não tememos mais a morte e a vida se torna uma estrada sem fim, que recomeça e se fortalece em seu passo a passo eterno.

Caminhar. Caminhar até para lá da curva da estrada, caminhar em companhia amiga. Caminhar.

E quando os tropeções inevitáveis nos sobressaltarem, que nos derrubem mas nos empurrem para a frente, nos arranquem as unhas mas jamais a esperança. Que o tombo seja franco e nos esparrame no solo duro de onde levantaremos mais fortes, a tempo, e retomaremos juntos nosso caminhar para sempre.

Andando, haveremos de ser melhores. Andando, pisaremos terrenos raros, abriremos caminhos novos, deixaremos pegadas claras a quem haverá de nos seguir. E chegaremos, enfim, ao melhor de nós mesmos. Se eu pudesse, eu caminhava para sempre.”

http://www.revistabula.com/3102-andando-chegaremos-ao-melhor-de-nos-mesmos/

"não fosse isso
e era menos
não fosse tanto
e era quase"

Leminski.

eumechamoantonio:

Não espere a chuva passar. Ela pode levar a sua coragem.

eumechamoantonio:

Não espere a chuva passar. Ela pode levar a sua coragem.

"A vida começa todos os dias."

Érico Veríssimo.    (via sorrisol)

(Source: pseudo-mar, via v-olare)

Sou quem sou, não mudo pela opinião alheia. 
Tenho orgulho de quem sou, dos meus acertos e erros,
porque sei que tudo que eu fiz,
eu fiz com o coração. 

A gente vira chuva;
vira flor;
vira silêncio;
vira saudade;
vira dor;
só não vira a gente.

s.f.

(Source: capitulisses, via poetaexilado)

Traduzir-se
(Ferreira Gullar)

Uma parte de mim
é todo mundo:
outra parte é ninguém:
fundo sem fundo.

Uma parte de mim
é multidão:
outra parte estranheza
e solidão.

Uma parte de mim
pesa, pondera:
outra parte
delira.

Uma parte de mim
almoça e janta:
outra parte
se espanta.

Uma parte de mim
é permanente:
outra parte
se sabe de repente.

Uma parte de mim
é só vertigem:
outra parte,
linguagem.

Traduzir uma parte
na outra parte
— que é uma questão
de vida ou morte —
será arte?

"há coisas piores que
estar só
mas nos custam décadas
até que percebamos
e geralmente
quando conseguimos
é tarde demais
e não há nada pior
que
ser tarde demais."

Bukowski